quinta-feira, abril 08, 2010

Mobilizaçons em Ponte Vedra e Ferrol na defesa da sanidade pública

Após as multitudinárias manifestaçons decorridas em Vigo nos últimos meses em defesa da sanidade pública e contra os planos privatizadores do PP no governo autonómico, mais comarcas da Galiza iniciam a via da mobilizaçom popular contra as políticas neoliberais que continuam o caminho iniciado polo PP noutros territórios do Estado espanhol como o País Valenciano e Madrid, onde já significou deterioro dos serviços públicos e precarizaçom laboral.

Em Ponte Vedra, amanhá, 7 de Abril, decorrerá umha primeira manifestaçom convocada polas organizaçons sindicais com representaçom na Junta de Pessoal da Área Sanitária Norte. Esta manifestaçom, sob a legenda “Sanidade Pública 100%. Em defesa dos postos de trabalho” começará às 20:30h, partindo do Hospital Provincial até chegar à sede da Junta em Campolongo.

Mas a mobilizaçom mais importante está convocada para o vindouro 16 de Abril pola Plataforma contra a privatizaçom e polo Hospital Único, que defende o projecto previsto para ampliar o hospital de Montecelo e a sua gestom pública, frente ao novo projecto de hospital em Monte Carrasco imposto pola Conselharia de Pilar Farjas, centro de financiamento, construçom e gestom privadas e que posteriormente suporá o pagamento de um cánon por parte do SERGAS durante 20 anos, multiplicando os gastos públicos mentres se enchem os arcas privadas de um consórcio conformado por construtoras, asseguradoras e bancos.

Na cidade de Ferrol a manifestaçom será este domingo, 11 de Abril, convocada pola Plataforma em Defesa da Sanidade Pública de Ferrol contra o deterioro da sanidade pública e as políticas privatizadoras do Partido Popular, exigindo também umha melhora dos recursos sócio-sanitários na comarca de Trasancos. Esta mobilizaçom partirá do Ambulatório Fontenla Maristany às 12h e está a ser acompanhada de umha campanha informativa sobre as consequências que terám sobre os serviços públicos sanitários as medidas impulsionadas pola Junta de Núñez Feijó.

Primeiralinha

Sem comentários: